quinta-feira, 5 de novembro de 2015

A LUTA PELA QUALIDADE NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA


No meio da leitura da densa e magistral escrita de Raymundo Faoro no clássico "Os donos do Poder", tenho me ´permitido diversificar com leitura de outros livros voltados para a Administração Pública e finanças. Concluí a leitura de tomo de autoria de Victor Mirshawka que tem como título: A luta pela qualidade na administração pública com enfase na gestão municipal. 

A leitura é leve. Inicia com depoimentos de gestores municipais, explanando sobre suas experiências na gestão municipal. Os gestores citam que o êxito de uma gestão depende de planejamento, boa equipe, organização financeira, modernização, capacitação dos recursos humanos, além de introduzirem o tema sustentabilidade. 

Trata-se de uma boa leitura, com frases de personalidades da história mundial a reforçar os argumentos voltados para enfatizar a necessária qualidade na Administração Pública. Sua busca através da melhoria constante é uma máxima do livro. Apresenta as ideias de William Edwards Deming como imprescindíveis para uma boa gestão pública.

Segundo Deming: "Um critério útil para identificação de um desempenho excelente é a demonstração inquestionável de um contínuo aperfeiçoamento ano após ano, num período de sete anos ou mais, da habilidade, do conhecimento, e da capacidade de liderar". Na verdade, o programa GESPÚBLICA desenvolvido pelo Governo Federal no sentido de disseminar a cultura da qualidade na administração pública tem como princípio a busca da melhoria contínua, com indicadores de medição e comparação a serem aferidos anualmente. 

O livro elenca casos históricos de desperdícios como a perda na gestão da água; na construção civil; e de alimentos na logística, armazenamento e em sua comercialização. Ainda propõe mecanismos de inclusão da qualidade no setor educacional. 

Vale a pena conferir sua leitura. Trata-se de leitura introdutória, mas de excelente nível, para quem deseja enveredar pela área pública. Concluo reproduzindo frase de Confúcio e que foi citada pelo professor Cláudio Lembo em seu artigo no livro: "Se o homem justo existe, o governo é próspero, se o homem justo não existe, o bom governo está acabado".