quinta-feira, 7 de novembro de 2019

LIVROS PARA LER 2019

Foto: Biblioteca do Sítio São Luis - Pacoti (CE)


Divulgo atrasado relação de livros que escolhi para me deleitar em suas páginas no ano de 2019. São leituras de diversos tipos, pois é na diversidade que adquirimos conhecimentos. Alguns dos livros escolhidos já figuraram em relações anteriores, mas como não consegui concluí-los estão por aqui de novo. Destaque que não esqueci dos clássicos.

1 - O capital do século XXI - Thomas Piketty
2 - As mil e uma noites.
3 - Eichman em Jerusalém - Hanna Arendt (lido)
4 - Direito Administrativo - Fernanda Marinela
5 - Retorno a Brideshead - Evelyn Waugh (lido)
6 - Vidas e proezas de Alexis Zorbas - Nikos Kazantzáakis (lido)
7 - Brasil - uma biografia - Lilia Moritz Schwarck e Murgel Starling
8 - Cem anos de solidão - Gabriel Garcia Marquez (lido)
9 - Use a cabeça - Excel - Michael Milton
10 - A cabana do Pai Tomás - Harriet Beecher Stowe (lido)
11 - História da riqueza do Brasil - Jorge Caldeira
12 - Americanah - Chimamanda Ngozi Adichie
13 - Crime e Castigo - Dostoievski
14 - Gestão Management - Peter F. Drucker
15 - A ideia de justiça - Amartya Sen
16 - Sobre o estado - Pierre Bordieu
17 - A história do sobrenatural e do espiritismo - Mary del Priore (lido)
18 - Honoráveis Bandidos - Palmério Dória (lido)
19 - Como as democracias morrem - Steven Levitsky e Daniel Ziblatt (lido)
20 - O alforje - Bahiyyih Nakhjavani (lido)
21 - O quarto em chamas - Michael Connelly (lido)
22 - Nada - Carmen Laforet (lido)
23 - O coração é um caçador solitário - Carson McCullers (lido)
24 - Rua Aribau - coletânea de poemas (lido)
25 - O novo poder - Henry Timms e Jeremy Heimans (lido)
26 - A misteriosa vida de Lampião - Cicinato Ferreira Neto (lido)
27 - O drama da Bretanha - Yvonne A. Pereira (lido)
28 - Eu sei por que o pássaro canta na gaiola - Maya Angelou (lido)
29 - Só garotos - Pati Smith (lido)
30 - Devoção - Pati smith (lido)
31 - O velho e o mar - Ernest Hemingway (lido)
32 - A promessa - Friedrich Durrenmatt (lido)
33 - A pane - Friedrich Durrenmatt (lido)
34 - O capote - Gogol (lido)
35 - O deserto dos tártaros - Dino Buzatti (lido)
36 - Tempo de migrar para o norte - Tayeb Salih (lido)
37 - Voragem - Junichiro Tanizaki (lido)
38 - As últimas testemunhas - Svetlana Aleksievitch (lido)
39 - 50 discursos que marcaram o mundo moderno - Andrew Burnet (lido)
40 - Yo no vengo a decir um discurso - Gabriel Garcia Marquez (lido)
41 - A boa filha - Karin Slaughter (lido)
42 - Underground Railroad - Colson Whitehead (lido)
43 - Memórias de Adriano - Marguerite Youcenar (lido)
44 - Contabilidade pública- análise financeira governamental - Severino Cesário e Josedilton Diniz (lido)
45 - Sobrevivi...posso contar - Maria da Penha (lido)
46 - Estrela solitária - Um brasileiro chamado Garrincha - Ruy Castro (lido)
47 - A revolução dos bichos - George Orwell. (lido)


OS TIMES CEARENSES E A ARBITRAGEM

Quando soube que teríamos o recurso da tecnologia nos jogos do campeonato brasileiro, ingenuamente achei que isto traria mais justiça ao futebol, em virtude de que se evitaria que times considerados grandes seriam beneficiados pela arbitragem.
Analisando os diversos jogos verifica-se que Fortaleza e Ceará tem sido reiteradamente prejudicados por erros grosseiros e até se conclui pela má fé dos árbitros tanto de campo como de vídeo.
Quero acreditar que a operação expresso 150 - que verificou-se na justiça do Estado do Ceará - não tenha seu operacional no futebol brasileiro. 
A esperança é rogar para Padre Cicero, Irmã Dulce, Menina Benigno, Nossa Senhora de Aparecida; para proteger os times do Nordeste; pois esperar imparcialidade da arbitragem brasileira é impossível de se visualizar.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

PEQUENAS AÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE


Tenho a convicção de que temos que mudar nossa forma de consumo, senão daqui a pouco os prejuízos para nosso habitat serão irreparáveis. Caso não bastasse a falta de sensibilidade dos governos para a causa ambiental e sustentável, entendo que o consumismo desenfreado, a volúpia por novas marcas, o descarte de bens ainda em ótimo uso, a busca por um novo celular com pequeníssimas adições da versão anterior, entre tantos exemplos de aquisições desenfreadas; tudo isto vai se voltar contra nós e as gerações de nossos filhos. 
É claro que não pode-se individualmente resolver o problema do Planeta. Contudo, pode-se modelar nosso dia a dia para gradativamente incorporar pequenas ações que multiplicadas podem realmente dar um passo de sustentabilidade.
Comecei com coisas simples. Em meu trabalho uso uma garrafa de água, a fim de evitar a utilização de um copo de água toda vez que tenho sede ao longo do dia. 
Quando vou a aula de espanhol, gosto de tomar um cafezinho e tomar água. Utilizo o mesmo copo plástico. Tomo água, mato a sede e depois saboreio o delicioso cafezinho.
Em relação aos canudos plásticos, há tempos que devolvo ao garçom quando tomo suco ou outra bebida. Ressalva feita apenas para água de coco e milk shake, a qual ainda o utilizo o canudinho. Ressalto que mesmo com canudinhos biodegradáveis tenho a mesma postura. Hoje utilizo raríssimo. 
Outra ação que tenho implementado é que procuro usar o mesmo prato em restaurantes. As vezes pede-se uma entrada; e quando sai o almoço o garçom vem para trocar o prato. Normalmente e sem nenhum transtorno para a degustação da comida tenho declinado desta troca.
Em casa temos conseguido separar pelo menos o lixo orgânico do restante dos outros dejetos. Sei que ainda é pouco, mas chegamos neste estágio por aqui. Já com relação a garrafas, jornais, papelão, entre outros; tenho encaminhado para reciclagem. Ressalto que a Prefeitura de Fortaleza tem dezenas de pontos de recepção deste tipo de bens recicláveis em todos os bairros. Com pilhas, baterias usadas, lâmpadas queimadas, sempre encaminho a um local adequado para sua recepção.
Outros bens de uso durável que não utilizo mais, tenho encaminhado para o Movimento Emaús, que tem belo trabalho no reuso de bens. 
Em relação a roupas usadas, tenho buscado repassar para pessoas que farão boa utilização delas. É incrível que roupas ainda sejam jogadas no lixo, sem que se dê um bom destino, tendo em vista que vivemos em um país com pessoas tão carentes e necessitadas. Se tiver dificuldades para encaminhar sua doação, há diversas entidades beneficentes que atuam nesta área.
No trabalho utiliza-se cada vez mais menos papel. Mesmo assim, nos processos físicos a impressão ocorre na frente e no verso, o que economiza o papel em 50%. Acrescento que se reutilizam restos de papel de trabalhos anteriores para impressões de material para estudo e análise.
Outra coisa, recebo livros em caixas na minha residência. Estas caixas serão reutilizadas nos presentes de natal que irei ofertar. As vezes, precisamos despertar para dar uso adequado aquilo que para muitos é simplesmente lixo. Devemos usar a criatividade.
Outra coisa bem simples é não jogar lixo na rua. Não abra o vidro e jogue o papel na rua. Incrível como ainda acontece isto. Sei que as vezes há dificuldade para jogar o lixo em um local adequado. Nem sempre há uma lixeira perto. Mas, aguarde até encontrar um local. O Planeta agradece.
Estas ações que falei podem ser uma gota no oceano, mas já consegui trazê-las para meu dia a dia. Junte-se com ações pela sustentabilidade de nossa mãe Terra.


domingo, 1 de setembro de 2019

EXISTE HUMANIDADE NAS PESSOAS DE HOJE?


Em uma dessas manhãs de sábado, fui a padaria comprar pão. Eu adoro o pãozinho francês novinho, pois enriquece o café. Estacionei ao lado de outro carro que também parava. Do carro saiu um senhor gordo e me dirigiu a palavra: 
- Eita vida boa.
Seu deboche se direcionava a um jovem que dormia debaixo de uma marquise. 
Minha resposta foi ignorar as palavras do insensível senhor.
Recentemente li uma matéria do jornal "O Povo" em que relatava a difícil vida de quem mora nas ruas. Trazia também o depoimento de uma pessoa que tinha conseguido sair desse desalento. Seu relato era emocionante, pois muitos não conseguem superar as dificuldades da solidão, da violência, das doenças, da insensatez.
Em geral tenho visto muita falta de solidariedade e desprezo com os moradores de rua.
Deve-se destacar que nem todos aqueles que perambulam pelas ruas são usuários de drogas ou criminosos. Há muitos em que o desarranjo familiar, a pobreza, a violência doméstica, os levaram à vida nas ruas, praças e avenidas.
Um personagem que conseguiu escapar das estatísticas foi o Capitão Silva, hoje integrante da Polícia Militar e educador. Passou extrema dificuldade ao morar na rua, inclusive dormindo em cemitérios. Era conhecido como o "morta fome". Recebeu apoio de pessoas realmente de bem e conseguiu desviar dos caminhos relacionados ao crime. Atualmente ministra palestras sobre sua trajetória. Ainda há esperança relata.
Nem todos que habitam as ruas conseguem encontrar almas caridosas. Nos últimos meses revi um amigo quixadaense morador das ruas de Fortaleza: José Maria. Sempre simpático, tinha alegria ao pedir moedas nos sinais. Na última vez que o vi, me afirmou que tinha deixado o vício da bebida e que ia sair dessa. Nunca mais o vi. Senti sua falta no sinal da Santos Dumont. Temi por sua vida. E ele realmente tinha saído do sofrimento, me relatou seu irmão algumas semanas atrás.
A vida é complicada, me relatou a Dona Maria. Pedinte ao lado da agência do Banco do Brasil da Desembargador Moreira, ela conversou comigo e falou com orgulho: "eu cozinhava para casas de família". Adoeceu, ninguém mais a quis para trabalhar. Vive de esmolas, com esperança de voltar para o Piauí, onde me disse que tem dois filhos e duas irmãs.
Contudo, há pessoas que ajudam as irmãs em situação de risco. Diariamente, há solidariedade, há registros de humanidade nas pessoas. Pode ate ser exagero na linguagem se expressar desta forma. Hoje vivenciamos muito desamor e ódio nos corações, mas há esperança. Nas noites sombrias, figuras adentram no Centro de Fortaleza para fazer o bem; para distribuir comida e bebida aos que tem fome e sede. 
Creio que ainda há esperança no ser humano. O bem não pode sucumbir ao ódio. Sejamos mais cristãos. É necessário trazer um pouco de Jesus, de Irmã Dulce, de Madre Teresa, de São Francisco, de Gandhi, entre tantos outros para nossas vidas.

quarta-feira, 24 de julho de 2019

RENATO CARNEIRO SAUDADES

            Vereador Agenor Queiroz entregando a medalha Américo Barreira ao amigo Renato Carneiro
                          Renato Carneiro e outros homenageados com a Medalha Américo Barreira

Conheci Sr. Renato Carneiro quando estudante do Ginásio Waldemar Alcântara. Minha professora de história passou tarefa de entrevistar políticos quixadaenses sobre a trajetória de Getúlio Vargas. Minha equipe era composta além de mim dos amigos Amâncio, Gladstone e Manin. Renato Carneiro era então prefeito de Quixadá e recebeu sem cerimônia os jovens estudantes. Não tínhamos marcado hora, mas mesmo assim ele nos fez adentrar em seu gabinete e ouviu sobre o tema da entrevista. Perguntou se poderíamos ir no outro dia na sua empresa para conceder a entrevista. E assim foi, nos deu um saudoso depoimento sobre a história de Getúlio Vargas. Aliás, ao final nos agradeceu pela oportunidade.
Os anos passaram e voltei a ter contato com Sr. Renato no antigo Hotel Municipal de Quixadá. Sempre estava lá às segundas-feiras para tirar o stress, batendo papo com os amigos e tomando algumas doses de whisky. Em um desses dias pude sentar em sua mesa e beber da sua sabedoria. Nas histórias que contava desfilava prudência, experiência, objetividade, prazer para o trabalho. Nas diversas vezes que tive o prazer de estar em sua presença, pude presenciar o ser humano empreendedor, inovador e educador que era.
Como prefeito de Quixadá era conhecido por sua palavra, sem rodeios e verdadeira. Não fazia falsas promessas, prometia somente o que realmente iria fazer. Foi um prefeito também inovador. Elaborou o primeiro plano diretor da cidade de Quixadá, quando sequer se sabia a importância do planejamento na administração pública. Cumpria os pagamentos financeiros da Prefeitura rigorosamente e foi um grande gestor de Quixadá com muitas realizações.
Na área privada, foi um empresário que marcou época no plantio e industrialização do algodão no Sertão Central e em nosso Estado. Enveredou pela avicultura e outras atividades comerciais; afinal sempre foi uma pessoa voltada para o trabalho; creio que foi uma pessoa incansável na arte de empreender.
Sua filosofia de vida procurava repassar para sua família, amigos e todos os que o cercavam, daí por que coloquei como uma de suas qualidades a de educador.  E o era. E muito bem.
Quando fui presidente da Câmara de Quixadá pude homenageá-lo com os vereadores da época com a medalha municipalista Américo Barreira. Homenagem mais do que justa em uma concorrida solenidade.
Há homens e mulheres que são quase imortais; marcam sua vida com pegadas fortes. Renato Carneiro era um desses homens que engrandecem a existência. Seja na área política, empresarial e familiar, foi um homem imprescindível e que marcou época especialmente na cidade de Quixadá. 
Minhas condolências a sua família e amigos. Ressalto que sua missão terrena foi muito bem cumprida. Deixa muitas saudades para todos que o conheceram. A mim, também especialmente.

terça-feira, 19 de março de 2019

O FUTEBOL E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Se os brasileiros escolhessem os políticos que irão governar seu país, seus estados e suas cidades; com a mesma exigência com que exigem dos técnicos e dos jogadores do seu clube de futebol, teríamos um Brasil diferente, bem mais competente.
Os futebolistas nunca aceitariam um completo despreparado para dirigir seu time de futebol; ou um centroavante que não saiba colocar a bola no gol; ou ainda um zagueiro furão simplesmente por que é seu amigo.
Enquanto isso aceitamos que os cargos mais importantes de nossa cidade possam ser ocupados por alguém que apenas é simpático ou que diz alguma coisa que nos agrada; em detrimento da competência técnica e experiência.
Que nossas exigências esportivas se transportem para a administração pública.
Dedicação, preparo técnico, experiência é o minimo que devemos exigir.  Que nossos governantes vistam realmente a camisa de nosso país; que pensem na próxima geração e  não em seus partidários, apaniguados e familiares.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

NATAL LITERÁRIO

Neste tempo de insensatez e ignorância decidi só presentear com livros no Natal. Afinal hoje presenciamos o fechamento de livrarias e bibliotecas e a proliferação de farmácias. A sociedade em geral deve estar muito doente, mas a cura para a ignorância é cultura.
Exceção apenas serão duas camisas do Fortaleza que são promessa antiga, mas ajudam celebrar o ano do centenário do tricolor mais querido do mundo.

domingo, 25 de novembro de 2018

VIDA E MIDIAS SOCIAIS

A vida é muito curta para se perder tanto tempo com mídias sociais. Grupos de wats demonstram ser em grande parte uma fábrica de notícias falsas e de demonstrações deploráveis dos seres humanos.
Deveriam ser um espaço para aproximação das pessoas e de comunicação, mas não da proliferação de ódio, mentiras e violência virtual.

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

ELE NÃO


Há uma desilusão geral no país. Os partidos políticos, lideranças e autoridades tiveram suas imagens depreciadas por seguidos e contínuos escândalos. As páginas policiais recentes envergonharam a nação.

Dentro deste clima de desesperança, em que faltam exemplos éticos, de competência e de honradez, que o país prepara-se para escolher seus governantes. 

E assim vivemos momentos complicados. A esperança de parcela da sociedade, frente ao desencanto com as representações tradicionais, apega-se ao pior exemplo que nosso país ousou gerar na história recente. Outros se apegam por suas qualidades execráveis, o que é lamentável. Incrível é ouvir manifestações "cristãs" nessa linha. Cristo jamais advogou o ódio.

Faltam adjetivos para expressar a mediocridade do atual líder nas pesquisas. 

Insensato, grosseiro, racista, preconceituoso, hipócrita... mas o pior é mesmo a incompetência.

Propostas inexistentes. Completa ausência de preparo nas mais diversas áreas administrativas. Resume-se apenas a frases de efeito, em que desnuda-se sua sujidade e aviltamento.

Chamam de mito. Um mito que exala ódio, inaptidão e intolerância. 

Algum tempo atrás vi esta mesma situação acontecer em minha cidade. Sob os ventos da mudança escolhemos um fantoche incompetente. Até eu caí nesta cilada. De novo não. Se é difícil uma cidade se recuperar, imagine um país.

Ah, é verdade que temos dificuldades nas alternativas, mas há opções. Contudo, quem exala maldade no seu cotidiano não pode ser alternativa para nada. 

Reflitam nestes últimos dias.  

#ELE NÃO#


domingo, 29 de julho de 2018

CIDADES TURÍSTICAS E A GESTÃO MUNICIPAL

                                                                   Gramado (RS)
                                                                      Salvador (BA)

                                                 Foz do Iguaçu (PR) / Puerto Iguazu - Argentina

Beto Carrero / Penha (SC) / Balneário Camboriu (SC)

Nos últimos doze meses tive o privilégio de visitar quatro cidades consideradas entre os melhores destinos turísticos do Brasil: Foz do Iguaçu, Salvador, Balneário Camboriú e Gramado. Foram viagens maravilhosas em que pude conhecer a beleza diferenciada de nosso país, seus belos ambientes naturais e apreciar a hospitalidade agradável dos brasileiros de todas as raças e lugares.

Apesar das cidades se situarem em quatro estados brasileiros (Paraná, Bahia, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) há aspectos que as unem em termos de gestão e também de algumas características.

Uma situação comum que verifiquei é o desempenho eficaz da limpeza urbana. Circulei pelos mais variados lugares nas quatro cidades e não verifiquei nenhum retrato de lixo acumulado ou aspecto de sujeira. Alguém pode me indagar: Ah, mas foi apenas nos pontos turísticos! É verdade em parte, mas procuro em minhas andanças visitar os pontos tradicionais de visitações para turistas e também alguns locais que me tragam um pouco da "alma da cidade", o que foge deste roteiro mais conhecido.Vale ressaltar que Salvador, até bem pouco tempo possuía a fama de cidade suja. Isto mudou e muito. A imagem que eu trouxe de volta foi de uma cidade bem cuidada e com uma limpeza urbana a contento.

Outra questão comum relaciona-se à mobilidade urbana. Em Salvador cheguei a andar de metrô, ônibus, táxi e uber. Todos a contento. Em Balneário Camboriú circulei de ônibus pelos principais pontos turísticos da cidade. Da mesma forma, as outras cidades possuíam alternativas para o vai e vem dos visitantes, seja do tradicional ônibus até o rápido contato para táxis. Acrescente-se também que as cidades apresentam também uma boa sinalização turística, permitindo o deslocamento de visitantes com menos risco de se perderem em suas rotas. A destacar que circulei por ruas e avenidas iluminadas, sem buracos e muitas delas com boa arborização.

A sensação de segurança destas cidades também me permitiu curtir melhor as viagens. Em Balneário Camboriú (SC), o guia falou como cartão de visita que podíamos circular com celulares, máquinas fotográficas e outros objetos; sem correr o risco de furtos e assaltos. Realmente caminhamos pelas ruas e pela beira mar em horário após meia noite, batendo fotos e comprando. Isto mesmo comprando, pois as lojas ficam abertas até muito tarde. Algumas ficam abertas até as 12h da noite. Em Gramado, além da segurança, pude desfrutar de equipamentos públicos, como por exemplo banheiros públicos, com qualidade até superior a de alguns shoppings de nosso estado. Em todas as cidades sempre me deparava com veículos e integrantes das forças de segurança, seja da guarda municipal ou estadual.

Acrescente-se que as cidades souberam conjugar a existência de pontos especiais e históricos com a exploração pela iniciativa privada de outros equipamentos e empreendimentos. Além disso a realização de uma programação festiva e cultural impulsiona ainda mais o motor do turismo nestas cidades. O carnaval na Bahia, o Festival de Cinema e o Natal de Luz em Gramado, as festas de fim de ano em Balneário Camboriú, os Congressos em Foz do Iguaçu; citando estes para exemplificar, reforçam a possibilidade de atrair turistas e visitantes em suas respectivas cidades.

Em cada um desses lugares a gastronomia é vendida como um atrativo especial. Afinal, como não ir a Bahia e não saborear o tradicional acarajé e abará? Ir a Gramado e não se degustar com o fundue especial de seus restaurantes nos parece uma heresia. Do mesmo modo visitar Foz deve casar com o churrasco do Rafain ou de outro restaurante. Em Balneário Camboriú não se pode dispensar o camarão delicioso de seus pratos. Eita, que delícia de viagens.

Pelo que vi, a receita do sucesso do turismo destas cidades situa-se no fato da administração pública cumprir seu papel na limpeza urbana, iluminação pública, segurança pública, transporte público, manutenção de praças, ruas, avenidas e equipamentos públicos e históricos. Por outro lado, a iniciativa privada tem investido em propiciar alternativas em lazer, gastronomia, eventos culturais e festivos, entre outros.

Isto dá para ser multiplicado pelo nosso país? Claro, falta a nossos governantes administrar tendo como objetivo o desenvolvimento das cidades e não simplesmente vencer a próxima eleição. Alguns visionários tem mudado a feição dos municípios brasileiros com idealismo, organização, planejamento e dedicação. Que os bons exemplos se multipliquem.

sábado, 19 de maio de 2018

CAIXA CULTURAL FORTALEZA

                                                                  Belo prédio
                                                                  Pose no jardim

Já falei que Fortaleza tem belos locais a visitar além de suas majestosas praias. Procuro sempre entremear meus finais de semana com o prazer de conhecer espaços históricos, culturais e nostálgicos da cidade. Visitei recentemente o espaço da Caixa Cultural. Desde sua inauguração ainda não tinha tido o privilégio de lá conhecer. Como portão especial de visita pude conferir a exposição "Êxodos" do prestigiado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado e a exposição "Lágrimas de São Pedro" do artista baiano Vinícius S.A. 

A Caixa Cultural Fortaleza está localizada na Praia de Iracema, em frente ao Centro Cultural Dragão do Mar, próxima da Ponte dos Ingleses e a poucos metros do futuro Aquário do Ceará.

Está instalada no prédio da antiga Alfândega, construção histórica tombada pelo IPHAN, que reúne características únicas de preservação e que funcionou por longos anos como espaço de pesagem, cobrança e armazenamento de mercadorias que chegavam pelo mar à capital cearense. A construção da Alfândega, projetada pelo inglês John Hawkshaw, foi iniciada em 14 de outubro de 1884 e sua inauguração se deu em 15 de junho de 1891. Lá, também já funcionou a Receita Federal e uma agência da Caixa.
Inaugurada em 2012, a Caixa Cultural Fortaleza é composta por um cine-teatro com 181 lugares, três amplas galerias de arte, sala de ensaios, salas para oficinas de arte-educação, foyer, café cultural e livraria, além de um agradável jardim e espaços para convivência e realização de eventos.
Com localização privilegiada, no corredor cultural e turístico de Fortaleza, é servida por diversas linhas de transporte coletivo, estando acessível a toda a população.

TELEFONES 
Informações: (85) 3453-2770
Bilheteria: (85) 3453-2770
E-MAIL: caixacultural.ce@caixa.gov.br
HORÁRIOS 
Visitação: terça a sábado, das 10h às 20h; domingo, das 12h às 19h
Bilheteria: terça a sábado, das 10h às 20h; domingo, das 12h às 19h

Fonte: http://www.caixacultural.com.br/SitePages/home-principal.aspx 

SABEDORIA POR EDWARD THORNDIKE


"As flores murcham, os palácios caem, os impérios se desintegram, só as palavras sábias permanecem..."

Edward Thorndike

sábado, 12 de maio de 2018

ESPAÇO CULTURAL UNIFOR

                                                             Belas obras de arte
                                                        Estrutura moderna e ampla
                                                               Espaços diversos
                                                             O verde circunda o espaço

Fui aluno da Unifor por diversos anos e não conheci este espaço maravilhoso da cultura que é o Espaço Cultural Unifor. Simplesmente sensacional. É incrível que saiamos pelo mundo a visitar museus, locais históricos e galerias de arte e não conhecemos espaços maravilhosos na cidade em que a gente mora. O local é agradabilíssimo. Há um conjunção entre o verde e a arte. Com estrutura moderna possibilita um desfrutar tranquilo e sereno da arte seja na pintura, escultura, enfim de nossa história. 
Inaugurado em 1988, o espaço já abrigou exposições exclusivas, nacionais e internacionais, como Rembrandt, Candido Portinari, Miró, Beatriz Milhazes, Antonio Bandeira, Vik Muniz e Burle Marx, além do destaque à arte regional, como a Arte Brasileira nas Coleções Públicas e Privadas do Ceará, Unifor Plástica, História do Ceará em Obras Sacras e Decorativas. Por ser referência em grandes mostras de arte e de exposições de caráter histórico, o espaço tem sido, ao longo dos anos, importante destino cultural de quem visita o Ceará. Em 2016 foi reconhecido pela Prefeitura como Patrimônio Turístico de Fortaleza.
Quem visita o Espaço Cultural Unifor desfruta de instalações e equipamentos que se encontram dentro das normas museológicas do Conselho Internacional de Museus (ICOM). Com área total de 1.200m², o ambiente segue padrões internacionais compatíveis com as melhores galerias de arte existentes no mundo, com estrutura dotada de sistemas de climatização do ambiente, controle rigoroso dos índices internos de umidade e de iluminação, toaletes com instalações específicas para portadores de necessidades especiais, proteção contra incêndios e saídas de emergência de fácil identificação.
Situado no 2º piso da Reitoria da Universidade de Fortaleza, o local passou por reforma física em 2004, tendo sido reaberto com a Mostra Raimundo Cela, uma homenagem ao cinquentenário de morte do artista cearense. Em 2008, ganhou espaço anexo, inaugurado com a mostra Barão de Mauá – O empreendedor.
A entrada é gratuita. Funciona de terça a domingo, sendo de terça a sexta no horário de 9 às 19h e nos sábados e domingos de 10 às 18h. Possui também estacionamento gratuito. Há também um delicioso café ao lado do espaço. Vale a pena visitar.
Fonte: https://www.unifor.br/espaco-cultural-unifor/apresentacao 

SABEDORIA POR VICTOR HUGO


"Que fácíl é ser bom. Difícil é ser justo."

Victor Hugo, escritor.

domingo, 6 de maio de 2018

SABEDORIA POR ARIANO SUASSUNA


"Não troco o meu "oxente" pelo "o.k." de ninguém."

Ariano Suassuna (foto)

FORTALEZA - MUSEU DA FOTOGRAFIA

                                                          Fotos impressionam
Apreciando esta premiada foto

A cidade de Fortaleza tem seus encantos e não somente as praias e o povo acolhedor. Há espaços agradabilíssimos para se visitar, seja você um turista ou um citadino local. Entre os lugares que recomendo para se visitar um deles é o Museu da Fotografia Fortaleza.

Localizado no boêmio bairro da Varjota a rua Frederico Borges, 545; o espaço surpreende pela organização e pelas exposições apresentadas. Além do espaço para exposições, possui auditório, cafeteria, loja e biblioteca. O acesso necessita de módica contribuição, mas menores de 18 anos e maiores de 60 anos tem entrada gratuita. Além disso, nas quartas feiras a gratuidade é para todos.

Destaque-se que o espaço sempre tem inovado nas exposições e na realização de cursos para fotógrafos iniciantes e para os já com alguma estrada na fotografia.

Estive em visita com minha família e pude constatar como são atrativas as peças em exposição. As fotografias impressionam pela beleza, pela realidade crua, pela arte.

Vale a pena visitar. Trata-se de um bom programa para qualquer dia. Recomendo, inclusive para após a visitar se deleitar em um dos apetitosos restaurantes de seu entorno. 

domingo, 18 de fevereiro de 2018

SALVADOR, BAHIA - TERRA MARAVILHOSA

Ilha dos Frades

Um brinde a Vinicius de Moraes

Casa do Rio Vermelho

Este ano tive o privilégio de visitar Salvador, na famosa Bahia.

Convivi com um povo alegre, festivo e acolhedor. Desde a família que nos acolheu pacientemente e prazerosamente por 10 dias, até os mais diversos profissionais que nos serviram; todos nos trataram com hospitalidade, presteza e sentimento de acolhimento.

Percorri lugares mágicos, históricos e cheios de energia. 

Adorei o Pelourinho com seus museus, bares, lojas, igrejas e monumentos.

Estive na Igreja e Convento de São Francisco. Um espaço belíssimo repleto de pinturas, esculturas ornamentos de ouro e imagens sacras. Conheci a Igreja do Rosário dos Pretos, construída por escravos e ex-escravos; sendo outro belo local para visitas e orações. Rezei na Igreja do Bonfim, espaço surreal da religiosidade.

No Pelourinho visitei o Museu Nacional da Enfermagem; o imponente Museu da Misericórdia; o Museu Eugênio Teixeira Leal que trata da história do dinheiro;  o Museu da Gastronomia Baiana; o Memorial das Baianas e a Fundação Casa Jorge de Amado. 

Estive ainda no Palácio Rio Branco, no Memorial da Câmara, no Movimento da Cruz Caída. Circulei pelas homenagens a Zumbi dos Palmares e Tomé de Sousa. Degustei moqueca de camarão com cerveja geladíssima em seus restaurantes. Curti especial cortejo do Olodum pelas ruas do Pelourinho. Posei para foto na mesma sacada em que o superstar Michael Jackson gravou seu clipe. 

Depois desci pelo Elevador Lacerda e fui ao Mercado Modelo para fazer compras e trazer mimos de Salvador. 

Fui ao famoso estádio Fonte Nova ver o Bahia jogar. Visitei a Casa do Rio Vermelho, lugar em que Jorge Amado e Zelia Gattai viveu e escreveu seu romances. Fiquei a imaginar como devem ter sido maravilhosas suas recepções com Vinicius de Moraes, Gláuber Rocha, Pablo Neruda, Tom Jobim, Dorival Caymmi, Roman Polanski, Jack Nicholson, Sartre e Simone de Beauvoir; entre tantos outros.

Estive ainda no Farol da Barra vendo o por do sol. Visitei o Museu Náutico. Degustei o acarajé da Cira, o sorvete da Ribeira, a feijoada e a peixada baiana. 

Fui ao Projeto Tamar na Praia do Forte, à praia de Guarajuba, à praia de Itapoã, à praia de Stella Maris. Ainda tive o privilégio de conhecer a idílica Ilha dos Frades e a Ilha de Itaparica, em um passeio de escuna regado a axé, frutas, caipirinha e cerveja. 

Faltaram lugares para visitar: Teatro Castro Alves, Memorial Irmã Dulce, Terreiro de Mãe Menininha, Morro de São Paulo, entre outros. Mas, o que visitei foi um convite a voltar pela beleza da cidade, pela alegria do povo, pela comida apetitosa. Destaco ainda que a limpeza da cidade estava muito eficiente, bem como seu sistema de transporte, pois andei de metrô, uber, táxi e ônibus. 

Voltei a Fortaleza com desejo de retorno. Lembranças especiais aos amigos baianos/cearenses Airton, Lícia, Rodolfo, Viviane, Aécio, Roberta, Jeová e aos pequenos Saul, Davi e Yasmin pela hospitalidade memorável. 

Eita Bahia boa demais.


sábado, 17 de fevereiro de 2018

O DIÁRIO DE ANNE FRANK


O primeiro livro lido do ano foi "O Diário de Anne Frank". Relato emocionante de uma jovem judia que relata o seu cotidiano escondida dos nazistas alemães em uma casa em Amsterdã. Sonhos, angústias, sofrimentos, desejos, aspirações, relações humanas; tudo é contado sob a ótica de uma garota. É algo para mexer com nossos corações e ao mesmo tempo não nos deixar compreender como pessoas foram tão cruéis a ponto de exterminar e levar milhões de pessoas ao cotidiano de crueldade. Também nos faz ver que mesmo nos períodos mais negros da história, há pessoas iluminadas e corajosas a ponto de colocar sua segurança em jogo para salvar seus semelhantes.

Há muitas frases marcantes ao longo do livro. Reproduzo uma que traduz o sentimento de esperança que ainda resistia em Anne Frank, apesar dos infortúnios.

"Não tenho dinheiro nem posses terrenas, não sou linda, inteligente nem esperta; mas estou feliz e pretendo continuar assim! Nasci feliz, adoro as pessoas, tenho uma natureza estável, e gostaria que todo mundo também fosse feliz."

Anne Frank morreu em uma campo de concentração nazista em Bergen-Belsen em fevereiro de 1945, pouco meses antes do campo ser libertado por tropas inglesas.

Um livro histórico e sempre necessário para se compreender as pessoas e o mundo. Acima de tudo é um livro repleto de esperança.

sábado, 13 de janeiro de 2018

LIVROS PARA LER EM 2018


O prazer da leitura me acompanha desde quando criança. Meu pai me levava aos domingos para uma banca de revista em Quixadá (Banca do Guaracy) e eu ganhava sempre uma revistinha em quadrinhos. No começo era Tio Patinhas, Pato Donald, Mickey.... Depois eram revistinhas do Ken Parker, Homem Aranha, Demolidor, X-Men, entre outros. Após certo tempo vieram as leituras infanto juvenis como "Tarzan", "A ilha do Tesouro", etc. Sherlock Holmes foi uma leitura que me cativou juntamente com os livros de Sidney Sheldon logo depois. A partir daí, não parei mais. Leio de tudo, livros de história, direito, administração, gestão, literatura, clássicos...

Durante o mestrado li importantes obras clássicas para compreender nosso país. Raymundo Faoro, Sérgio Buarque de Holanda, Caio Prado Jr., Darcy Ribeiro, José Murilo de Carvalho, João Ubaldo Ribeiro, Viana Moog, Roberto da Matta, Vitor Nunes Leal, entre outros. Renascia ali o prazer da leitura em mim. Não que tivesse ausente, mas apenas adormecido. Em 2017 li 34 livros. Tinha programado 25. Mas, o plano foi alterado. Li algumas obras que não estavam previstas, deixei de ler outras da lista e no final do ano, tive um balanço positivo no universo da leitura.

Planejo para o ano de 2018 ler 28 livros, dentre obras de temáticas e autores diferenciados. Segue a relação:

1 - O diário de Anne Frank, (lido)
2 - Antologia da maldade - Gustavo Franco e Fábio Giambiagi (lido)
3 - Contos de imaginação e mistério - Edgar Allan Poe. (lido)
4 - Paddy Clarke Ha Ha ha - Roddy Doyle. (lido)
5 - A tolice da inteligência brasileira - Jessé Souza (lido)
6 - A difícil democracia - Boaventura de Sousa Santos 
7 - A praça do diamante - Mercê Rodoreda (lido)
8 - As três Marias - Rachel de Queiroz. (lido)
9 - Estrela Solitária - Um brasileiro chamado Garrincha - Ruy Castro.
10 - Napoleão - Vicent Cronin.(lido)
11 - A irmã mais nova - Raymond Chandler.(lido)
12 - O xará - Jhumpa Lahiri (lido)
13 - O leopardo - Giuseppe Tomasi de Lampedusa (lido)
14 - Quase memória - Carlos Heitor Cony (lido)
15 - Abusado - Caco Barcelos (lido)
16 - Crime e castigo - Dostoiévski
17 - Ainda estou aqui - Marcelo Rubens Paiva (lido)
18 - A cabana do Pai Tomás - Harriet Beecher Stowe
19 - Memorial de Maria Moura - Rachel de Queiroz.
20 - Dona Fideralina Augusto - Dimas Macedo. (lido)
21 - Eichmann em Jerusalém - Hannah Arendt.
22 - Nós somos a mudança que buscamos - Barack Obama (discursos) (lido)
23 - Memórias de Adriano - Marguerite Yourcenar
24 - Dona Flor e seus dois maridos - Jorge Amado.
25 - Cem anos de solidão - Gabriel Garcia Marquez.
26 - História da Riqueza no Brasil - Jorge Caldeira.
27 - O novo direito constitucional brasileiro - Luís Roberto Barroso
28 - Americanah - Chimamanda Ngozi Adichie

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

sábado, 22 de julho de 2017

SABEDORIA POR DALAI LAMA


"Julgue seu sucesso pelas coisas que você que teve que renunciar para conseguir."

Dalai Lama (foto)

RETORNO ÀS POSTAGENS


Nestes últimos meses tenho me dedicado às leituras, às mini-séries, ao esforço no desempenho profissional através de estudos e cursos; e também ao convívio familiar e algumas viagens. Tenho escrito pouco. Acho que depois da elaboração da dissertação do mestrado tinha que dar um tempo para descansar a mente. 

Agora, prometo retomar minhas divagações aqui pelo blog. Há tanto a debater. Vivemos tempos sombrios de intolerância. Tempos em se arguem argumentos pobres como se fossem verdades infalíveis. Tempos em que se leem apenas as capas das reportagens para se concluir. Tempos em que a divergência é motivo de ódio e desprezo. Que tristeza. A discussão das ideias se tornou algo ridículo e muitas vezes inaceitável. A política virou local de paixões exacerbadas entremeadas de clima FLA x FLU. 

Assim, neste momento, procurarei contribuir com minhas reflexões para defender que as grandes revoluções se fazem com passos contínuos, ás vezes pequenos, para se buscar o longe. Que a diversidade de pensamentos é que possibilita um ambiente de aprendizado e engrandecimento. 

foto: Ceart - Fortaleza (CE)

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

LIVROS PARA LER 2017


Depois de uma longa jornada nas leituras do mestrado, passo a ter mais liberdade na escolha de livros para o deleite literário. A seguir segue minha lista de desejos de leitura no ano de 2017.

1 - O sol é para todos - Harper Lee (lido)
2 - O que o dinheiro não compra - Michael J. Sandel. (lido)
3 - A improvável jornada de Harold Fry - Rachel Joyce (lido)
4 - O capital - Thomas Piketty (lendo)
5 - Código da Vida - Saulo Ramos (lido)
6 - A ideia de justiça - Amartya Sen
7 - A anatomia do poder - J. K. Galbraith (lido)
8 - Sobre o estado - Pierre Bordieu
9 - O futuro da democracia - Norberto Bobbio (lido)
10 - O direito pelo avesso - Peter Kohler e Thomas Schaefer (lido)
11 - O estado empreendedor - Mariana Mazzucato
12 - Contos de crime - Flávio Moreira da Costa (lido)
13 - Constituição Econômica do Brasil - Filomeno de Moraes (lido)
14 - 44 cartas do mundo líquido - Zygmunt Balman (lido)
15 - Impasses da democracia no Brasil - Leonardo Avritzer (lido)
16 - Stoner - John Williams (lido)
17 - O caminho estreito para os confins do Norte - Richard Flanagan (lido)
18 - O vermelho e o negro - Stendhal (lido)
19 - 10 dias que abalaram o mundo - John Reed
20 - A república dos padrinhos - Gilberto Dimenstein (lido)
21 - As mil e uma noites
22 - LRF comentada - Marcus Abraham (lido)
23 - A quinta disciplina - Peter Senge
24 - Gestão - Peter Drucker
25 - 1968. O que fizeram de nós? - Zuenir Ventura (lido)

O QUE O DINHEIRO NÃO COMPRA /MICHAEL J.SANDEL


O autor do livro "Justiça" nos brinda com produção literária que mantém o debate sobre como devemos nos portar diante de situação tida como legal mais não notadamente de acordo com a moral e os princípios da sociedade. Até que ponto o dinheiro pode comprar tudo? Esta pergunta está presente neste livro que visa a fazer em seus leitores uma reflexão interior sobre os nossos limites. Até onde podemos ir sem prejudicar a sociedade e os valores dos nossos vizinhos, irmãos, ou colegas? Vale a pena conferir.  

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

INTERNET = CONHECIMENTO OU DESCONHECIMENTO


Quando fiz meu primeiro curso universitário (ah como era bom ter que estudar história) vivia em um período em que o conhecimento era muito restrito. O acesso aos livros era deficiente. As bibliotecas não tinham grande acervo (ainda é assim em muitas cidades, por desleixo e falta de visão de nossos governantes) e mesmo o acesso à aquisição de livros era difícil e por que não dizer raro. Afinal, estávamos de saída de uma cruel ditadura militar e os livros eram considerados ferozes instrumentos do inimigo. 

O tempo passou. É incrível a facilidade através da internet para se buscar o acesso ao conhecimento. De tudo encontramos a nossa mão, ou seja ao nosso toque no mouse ou teclado. Vídeos, documentos, arquivos históricos, experiências; há muito o que se angariar de conhecimento em termos profissionais e de lições para nossa vida. As livrarias estão abarrotadas de títulos para todos os gostos e necessidades. 

Mas nem sempre as boas notícias andam sozinhas. Há um pesado fardo sobre a internet e as mídias sociais. É comum vermos circular mensagens de apologia ao ódio, ao preconceito, à violência. Também circulam notícias falsas, inverídicas, distorcidas. É cotidiano receber mensagens totalmente desvirtuadas, sem o mínimo de averiguação da veracidade.

É incrível como pessoas passam o tempo todo compartilhando mensagens de raiva, de hostilidade a determinado grupo de pessoas, de injúrias. Ave.....

Pessoal, a internet e suas páginas nas mídias são como sua casa. Não a proliferem de negatividades. Aproveitem o campo vasto de conhecimento disponível. Há tantos bons exemplos a seguir. Divulguem o que é saudável. Semeiem o bem.  Isto vale também para o mundo virtual. 

SABEDORIA POR HARPER LEE


“Eu queria que você visse o que é realmente coragem, em vez de pensar que coragem é um homem com uma arma na mão. Coragem é quando você sabe que está derrotado antes mesmo de começar, mas começa assim mesmo, e vai até o fim, apesar de tudo. Raramente a gente vence, mas isso pode até acontecer.

Extraido do livro "O sol é para todos" de Harper Lee (foto)

O SOL É PARA TODOS / HARPER LEE


Trata-se de livro inesquecível e incrivelmente atual. Não poderia deixar de ser pois trata-se de um clássico da literatura norte americana, mas eu acho que deve ser ampliado para a escala mundial. Emociona ler a narrativa da pequena Jean Louise, ou simplesmente Scout. Sua inocência cativa aos leitores. Não há como não se colocar no papel dos jovens personagens. Me vi na infância nas peripécias do grupo de Dill, Jem e Scout. 

A narrativa do livro nos mostra como a sociedade pode ser influenciada por sentimentos de racismo de um sociedade corrompida pela hipocrisia. Um livro memorável que nos faz questionar nossa trajetória e o real sentido de justiça. O livro foi transposto para o cinema, tendo recebido diversos prêmios e a interpretação magistral de Gregory Peck como o advogado Atticus Finch. Imperdível.




quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

SABEDORIA POR BARACK OBAMA


“Podemos não ser capazes de deter todo o mal no mundo, mas eu sei que a forma como tratamos uns aos outros é inteiramente nossa. Eu acredito que apesar de todas as nossas imperfeições, estamos cheios de decência e bondade, e que as forças que nos separam não são tão fortes como aqueles que nos unem.” 

Barack Obama, presidente do Estados Unidos.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

NOVAS ADMINISTRAÇÕES MUNICIPAIS


Neste período inicial de novas administrações municipais temos escutado relatos de desmonte em prefeituras. Dívidas, patrimônio abandonado, escolas em péssimo estado, serviços paralisados, lixo acumulado nas ruas; um verdadeiro presente grego. E em muitos casos as alegativas dos novos gestores são verdadeiras. Frutos de uma cultura administrativa patrimonial, presenciam-se casos lamentáveis de desmando, corrupção, favorecimento a amigos e familiares, além de ampla ineficiência.

Este quadro que ainda vivenciamos precisa mudar. E não mudará por obra de alguns bem intencionados prefeitos (estes cada vez mais raros). Mudará se as pessoas enfim acordarem para desempenhar seu papel de cidadão e não apenas de eleitor de dois em dois anos. Hoje os instrumentos de transparência pública possibilitam acompanhar as despesas do município em tempo real. A sociedade pode e deve acompanhar como está sendo gasto o seu dinheiro. 

Não dá para aceitar, por exemplo, que município gaste milhões com locações de veículos a amigos e apoiadores. Não dá para aceitar gastos exorbitantes com assessorias inexistentes, com coffee breaks desnecessários, com coleta de lixo ineficiente, com transporte escolar de péssima qualidade. E quem pode cobrar e denunciar estas arbitrariedades é o próprio cidadão.  

Por incrível que pareça, os administradores municipais de hoje, e que reclamam do desmantelo encontrado; podem ser os mesmos, após o período temporal de quatro anos, a deixar a prefeitura com servidores atrasados, com não repasse de consignados, com as escolas faltando merenda escolar, com o lixo na sua esquina, com obras inacabadas, etc. Por isto, não existe solução mágica ou salvador da pátria ou do município. Enquanto o nosso papel permanecer apenas de eleitor não evoluiremos.

Sei que há avanços. Há bons exemplos de cidadania ativa, de grupos sociais que acompanham o desenrolar da vida administrativa em suas cidades, de representantes do Ministério Público com atuação louvável. Mas ainda é exceção a regra. Sem partidarismos, cobremos de nossos representantes. Elogiemos quando justificada a ação. Critiquemos e reivindiquemos quando necessário.  A democracia e a cidadania agradecem. 

SABEDORIA POR FRANK UNDERWOOD / HOUSE OFF CARDS


"Se nunca fizéssemos coisas que não deveríamos fazer, nunca nos sentiríamos bem fazendo o que devemos"

Frank Underwood, personagem minissérie House off Cards 

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

A IMPROVÁVEL JORNADA DE HAROLD FRY - RACHEL JOYCE


Mais um livro que degustei a leitura nestas semanas. Um livro delicioso. Uma fábula moderna sobre pessoas comuns que enfrentam problemas, sobre solidariedade, sobre esperança. A caminhada do personagem com suas divagações, pensamentos e reflexões; demonstra como no fundo todos somos muito parecidos. Vivenciamos angústias, felicidades, saudade, desilusões, amores. A ler com carinho.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

SABEDORIA POR UMBERTO ECO


"Nem todas as verdades são para todos os ouvidos. Nem todas as mentiras podem ser suportadas."

Umberto Eco

NÚMERO ZERO / UMBERTO ECO


Foi o primeiro livro que li do laureado autor Umberto Eco. E gostei. Trata-se de livro não extenso e que conta a trajetória de um grupo de jornalistas que são contratados para elaborar um número zero de um jornal. O objetivo é manipular as informações, de forma a angariar recursos e poder com patrocínios, extorsões e outros benefícios. Trata-se de uma aula de como fazer um importante e mau jornalismo. E como tem disso pelo nosso país. Indico esta leitura. 

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

ROTA 66 - A HISTÓRIA DA POLÍCIA QUE MATA - CACO BARCELOS


A leitura de Rota 66 é um relato de atrocidades, injustiças e desilusão com as instituições. Mas também é o resumo de um trabalho feito a diversas mãos, que juntaram forças para denunciar histórias tristes e reais da sociedade brasileira. Caco Barcelos coordenou este trabalho investigativo, que é uma aula de jornalismo, de bom jornalismo. Interessante é que o autor corajoso deste trabalho foi agredido por manifestantes recentemente, fruto da cultura de ódio, intolerância, e desconhecimento de princípios que assola nosso país. Vale a pena ler e reler. 

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

SABEDORIA POR VICTOR NUNES LEAL


Conclui minha apresentação na defesa da dissertação com esta frase de Victor Nunes Leal (na foto sendo condecorado pelo Presidente JK), extraída do clássico livro: Coronelismo, enxada e voto. Detalhe foi escrito em 1949, no entanto, sua frase continua muito atual no cotidiano dos municípios brasileiros.

"Falta de métodos racionais, desorientação administrativa, gestão financeira perdulária, dívidas crescentes, balbúrdia na escrituração, quando havia, exação tributária deficiente e tolhida por critérios partidários, estes e outros defeitos foram encontrados fartamente em nossa administração municipal."