terça-feira, 1 de dezembro de 2015

SABEDORIA POR RAYMUNDO FAORO


"Passiva e calada a base virá na superfície, descendo sobre os chefes regionais, o poder estatal reconstruído, com outros senhores. Mas, para a empresa reclamada pelo desequilíbrio social, o poder central não há de ser apenas o Catete, na versão autoritária dos três presidentes que encerram a República Velha. Não será o presidente fazedor de sucessores o que virá, mas o presidente que, para manter o poder, reformulará o poder, para a proteção, o fomento e a tutela. A hora da agonia está próxima, silenciosa como todas as horas decisivas."

Raymundo Faoro (foto), trecho de "Os donos do Poder", relatando a iminência da chegada ao poder de Getúlio Vargas.