sábado, 20 de abril de 2013

CID GOMES NO VI CONSAD - BRASÍLIA (DF)

Acompanho a trajetória do Governador Cid Gomes já algum tempo. Desde os tempos em que administrou sua cidade natal: Sobral. Foi nesta época que consegui fazê-lo vir ministrar uma palestra no auditório da CDL em Quixadá, a convite da então Associação dos Jovens Empresários (AJE). Sua exposição à época já demonstrava suas idéias a respeito da gestão pública. Não foi a toa que Sobral passou por uma intensa modificação de costumes, infra-estrutura e auto estima.

Para minha surpresa e para toda a platéia presente no VI Congresso CONSAD de Gestão Pública, encontramos um palestrante totalmente aberto a expor suas idéias, propostas e opiniões. Cid Gomes estava inteiramente a vontade para os mais de 2.000 congressistas. E expôs o que pensa, sem firulas, sem chavões e com sinceridade.

A importância do equilíbrio financeiro da máquina pública foi sua primeira defesa. E esta deve ser a tarefa inicial de qualquer gestor. Fazer o que tem de ser feito sem demora. Relembrou Maquiavel de que a maldade deve ser feita toda de uma vez só e a bondade ao longo de todo o mandato do governante. Orientou que se fossem necessárias medidas amargas, elas deveriam ser feitas imediatamente. Expôs também sobre a Central de Licitações do Estado que trouxe grande economia ao Ceará. 

Continuou afirmando que a elaboração de bons projetos deve ser uma preocupação constante do gestor. Segundo ele faltam projetos no Brasil e sobram recursos nas mais diversas áreas pela ineficiência na sua concepção e elaboração. A falta de planejamento, continuou ele, é outro grande entrave da gestão pública brasileira. Não se consegue planejar corretamente nem o orçamento anual, que ainda é uma peça de ficção, ressaltou.

Declarou que não existe forma mágica para governar. Deve-se apenas ter "muita dedicação e feijão com arroz". Para ele não existem métodos infalíveis, apenas trabalho árduo e cotidiano. Explicitou que o maior problema do Brasil é a pobreza: "Todo resto é conversa fiada".  Em nosso país defendeu a necessidade de  uma democracia de oportunidades para que todos tenham as mesmas condições de vencer na vida. Também ressaltou que a saída para o Brasil é o investimento maciço em educação. 

Falou do Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC), dos investimentos em saúde com a construção de hospitais, policlínicas e centros de especialidades. Defendeu que os prédios públicos sejam bonitos, tão belos quantos os da iniciativa privada, pois todos tem o direito de ser bem atendidos e tratados.

Reafirmou que é papel do governante levar saúde, educação, dezenas de outras coisas e lazer também para todos. Por que os pobres não podem ter direito a assistir bons shows? Todos tem este direito, ressaltou.

Mesmo eu já sabendo um pouco da sua maneira de gerir a coisa pública, não pude deixar de me surpreender com sua didática apresentação. Foi sem dúvida uma palestra inspiradora para os que acreditam em uma nova formulação de gestão. Não que o Governador Cid Gomes não tenha defeitos, como ele mesmo faz questão de evidenciar seus erros, mas pelas suas instigantes qualidades de bom gestor. A capacidade de investir do Estado do Ceará é fruto desta sua maneira de administrar. Não dá para conduzir um estado como o nosso, sem equilíbrio nas contas, bons projetos elaborados e planejamento adequado. Tudo isto, com o objetivo principal inafastável de reduzir as persistentes desigualdades existentes. Afinal o objetivo primordial do poder público é fazer o bem comum.