domingo, 25 de maio de 2008

UM GRANDE EXEMPLO PARA O PAÍS


É comum vermos na imprensa brasileira a apologia ao crime, à divulgação massiva de fatos que chocam a opinião pública dando um pésssimo exemplo para nossos jovens. A maioria dos programas de TV abordam obscenidades, besteirol e outras baboseiras que nada contribuem para nossa sociedade.

A apresentação de boas políticas públicas, de ações de responsabilidade social, de respeito à ecologia raramente estão presentes nas reportagens. O destaque vai para um jogador de futebol que sai para um "programa e se dá mal" ou para o cotidiano de um ex-big brother. Poxa, tudo isto é demais. Chega de tanta inversão de valores.

Faço este desabafo depois que nosso país perdeu mais um grande homem de valor. Firme nas suas posições, íntegro e correto em toda sua vida. Sua postura engradecia o Senado Federal. Era uma voz comprometida com a construção de uma sociedade melhor, com ética, com respeito às diferenças, construída com valores coletivos e não individuais.

Em contraponto aos que acreditam que exemplos como o Senador Jefferson Peres são raríssimos de encontrar. Quero discordar totalmente. Em todas as profissões, em todas as regiões deste país encontramos inúmeros exemplos de homens e mulheres que em suas vidas demonstram uma trajetória de respeito aos mais belos princípios que encontramos na humanidade.

Falo isso com a convicção de encontrar mães que dão à vida por seus filhos, a trabalhadores que colaboram com um companheiro em dificuldades mesmo sem ter condição, a garotos como aquele de nosso Ceará que ia a escola de carrinho de mão, entre inúmeros. Existe muito mais bondade, compaixão, respeito e amor em nosso mundo. Falta os bons exemplos serem difundidos para que sirvam de inspiração para a atual geração e a futura.

Muitas vezes achamos que os heróis são pessoas incomuns, com qualidades acima das nossas. Quanto ouvimos os depoimentos de Gandhi, Nelson Mandela, Chico Mendes entre tantos outros considerados como tal, percebemos que aqueles nossos heróis não se consideravam tão diferentes, apenas diziam humidelmente que fizeram apenas o que tinha de ser feito e qualquer um outro poderia fazer o seu papel.


Façamos o que deve ser feito.


Siga em paz Senador Jefferson Peres. Sentiremos sua falta.