domingo, 23 de junho de 2013

PROTESTOS NO BRASIL: VOLTA DA CIDADANIA NAS RUAS?

Acho que qualquer sonhador com um país melhor deve ficar satisfeito com as manifestações que percorreram as ruas de centenas de cidades brasileiras. O retorno da indignação à juventude demonstra que os jovens não podem ficar alheios à realidade brasileira. Nosso país cotidianamente enfrenta problemas e dificuldades que afligem a toda a nossa população e a juventude deve saber compreender seu país, pois daqui a alguns anos deve estar preparada para assumir o poder e não repetir os erros das gerações passadas.

A falta de políticas públicas adequadas de saúde, educação, transporte, segurança, habitação, entre tantas outras tem feito eclodirem manifestações em todo o país. O tema corrupção e a impunidade estão presentes no noticiário diário e isto acaba reforçando fortemente estas insatisfações. Os jovens protestam nas ruas gritando palavras de ordem e exigindo mudança para o nosso Brasil.

Já estive nestas mesmas ruas no período do impeachment do Presidente Collor. Éramos também jovens e exigimos naquela época um país sem corrupção e com melhorias nas mais diversas áreas. Passados 20 anos, a juventude volta a exigir mudanças. Quero deixar claro que, na minha opinião, neste período todo muita coisa aconteceu, avanços traduziram-se em muitos campos. Seja na democracia, que vai ganhando maioridade - as manifestações reafirmam isto - seja na transparência dos gastos públicos, seja até nos serviços públicos. Entretanto, estes avanços poderiam ter sido bem mais amplos e céleres, o que não ocorreu e por isso advieram os protestos atuais.

Na época dos cara-pintadas aconteceram centenas de manifestações também. Entretanto, quase não aconteceram de relatos de vandalismo e depredações. E olhe que isto se traduziu em seu epílogo com a deposição do presidente. Democracia, direito de ir e vir, de manifestar, de reivindicar direitos, de cobrar serviços públicos melhores; tudo isto é mais do que válido. Agora não podemos exercer nosso direito destruindo os direitos dos outros. Devemos nos manifestar sempre, mostrar nossa indignação com as coisas deploráveis que acontecem em nosso judiciário, nas prefeituras, nas câmaras e assembleias, etc. Agora passar da reivindicação para a destruição de patrimônio público, do patrimônio de pessoas que são trabalhadoras da mesma forma que os manifestantes, isto não posso aceitar como correto e com sentido.

Uma palavra muito forte nas manifestações é a corrupção. Devemos ser intolerantes com a prática delituosa deste tipo. Contra esta ação deplorável, que extrai o sangue do povo brasileiro, devemos ser implacáveis. E dos políticos, dos nossos representantes devemos ser ainda mais exigentes, pois refletem-se em um exemplo para todos nós. Não podemos aceitar as licitações fraudulentas, com benefício de pequeno grupo ligado ao poder; não podemos aceitar as contratações de parentes e amigos sem critérios objetivos; não podemos aceitar venda de sentença judiciais; não podemos aceitar desvios de conduta e dos princípios da administração de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e também da eficiência.

E para isto realmente se constituir em uma mudança devemos mudar começando por nós mesmos. Deixemos de ser hipócritas e passemos fazer do nosso dia a dia um exemplo de honestidade e seriedade. Chega de tentar se dar bem todas as vezes; chega de tentar corromper o guarda de trânsito; chega de tentar contabilizar indevidamente tempo de serviço para se aposentar antes do tempo; chega de buscar atestados médicos falsos; chega de tentar falsear documentos para pagar menos IR; chega de tentar realizar falsas demissões para retirar o FGTS; chega de ser um leão nas ruas e uma hiena na hora de votar exigindo benesses pessoais dos seus candidatos. Se devemos passar a limpo nosso país, comecemos por cada um de nós. Enquanto mudamos internamente continuemos nas ruas, nas escolas, no trabalho, no lazer; multiplicando ações de ética, seriedade, solidariedade e honestidade.