sexta-feira, 13 de setembro de 2013

DOM RUFINO: BISPO DAS FAMÍLIAS

Entregando a medalha Américo Barreira - Local Igreja de Santa Terezinha
Neste fiz a homenagem a Dom Rufino, sob as bênçãos de Padre José Maria e de mais dois bispos: Dom Ângelo e Dom Adélio. Ao lado também estava a então Presidente da Câmara Edi Leal.
Público presente: era festa de aniversário de ordenação de Padre José Maria
Os três bispos de Quixadá
 
Humildade, tranquilidade, maciez nas palavras, sensibilidade com as causas sociais, apoio aos projetos estratégicos para Quixadá e região, pastor das famílias.... Estas são as marcas do primeiro bispo de Quixadá: Dom Joaquim Rufino do Rego.
 
Durante a minha vida tive diversos momentos com Dom Rufino. Estudei em um colégio religioso (Ginásio Waldemar Alcântara, antigo Colégio Padre) e eram constantes as solenidades religiosas que tinham a honra de contar com a presença do bispo. Suas palavras eram sempre de aconselhamento, de respeito às pessoas, de convivência harmoniosa, de incutir nos jovens princípios morais de dignidade e bondade.
 
No seu bispado em Quixadá foi um pastor das famílias. Conhecia as pessoas, tinha um fino trato com cada um que a ele se dirigisse. Era alguém que poderíamos considerar próximo e amigo. Apoiou os movimentos que reivindicavam direitos para os mais desassistidos. Incentivou a organização de Pastorais. E delas participava, tendo ai criado elos mais fortes de ligação com as comunidades. Vendo o atual Papa Francisco defender que a Igreja se aproxime das pessoas, recordo que Dom Rufino tinha esta marca como característica principal.
 
Dentro das causas para região, foi um defensor de primeira hora da implantação de uma universidade no Sertão Central. Foi com seu apoio que vimos o sonho da Universidade Estadual se tornar realidade à época, através da FECLESC (Faculdade de Ciências de Letras do Sertão Central). Na foto histórica da pedra fundamental está lá sua presença marcante.
 
Fui acólito em muitas cerimônias religiosas. Era um daqueles ajudantes nas missas. Tive o privilégio de participar da missa do "Lava pés" na Semana Santa. Era eu um dos teve os pés lavados pelo bispo. Agora, tanto fazia estar em grandes solenidades, como em missas com pouco público, Dom Rufino era sempre o mesmo pastor calmo e amigo. Era uma voz constante voltada para uma sociedade melhor espiritualmente e socialmente
 
Por onde viveu sua vida deixou um legado. Um legado de fé, de que é possível viver, sob as bênçãos de Deus, contribuindo para um mundo melhor. Antes de sua partida, pude homenageá-lo com a Medalha "Américo Barreira" pelos seus serviços prestados à municipalidade. Foi uma cerimônia emocionante para o público presente e especialmente para Dom Rufino. Claro que esta simples homenagem não é comparável à história deste grande cidadão, mas significou muito para o servo de Deus na Terra. Vi isto nos olhos marejados de emoção quando lhe entreguei a comenda. 
 
Dom Rufino já não está conosco. Entretanto, sei que estás com Deus onde estiver, por toda sua trajetória de vida. Muito Obrigado Dom Joaquim Rufino do Rego. Nosso querido Dom Rufino.
 
 
obs: fotos - Ednardo