sexta-feira, 12 de agosto de 2011

APRESENTAÇÃO PLANO BRASIL SEM MÍSÉRIA NO CEARÁ

Mesa do Debate
Ana Fonseca com servidoras da SDA no almoço

Participei de seminário com a presença de Ana Fonseca, cearense responsável pelo Plano Brasil sem Miséria do Governo Federal. Foi um evento muito prestigiado com centenas de participantes. Reproduzo aqui matéria da SDA. Interessante foi descobrir que Ana é torcedora roxa do Ceará para deleite de Evandro Leitão, presente ao evento e tristeza de Nelson Martins. Foi uma gozação geral a explanação inicial sobre a "carroça desembestada". A gozação continuou no almoço em que fomos ao Carneiro do Ordones. Ana ganhou um kit do ceará e convite para assistir ao jogo com o São Paulo. Abaixo foi o lado sério do debate.

O Brasil tem 16,5 milhões de pessoas vivendo na miséria. Só no Ceará, são mais 1,5 milhões de pessoas. Para discutir as ações que devem mudar esta situação, a secretaria Extraordinária para Superação da Extrema Pobreza, Ana Fonseca, apresentou o Plano Nacional Brasil Sem Miséria para cerca de 300 pessoas. Entre prefeitos, representantes de conselhos, de movimentos sociais e entidades privadas.

Segundo Ana Fonseca, para a melhoria da vida no campo, o governo vai priorizar o acesso à água para todos, com a construção de 186 mil cisternas de placas para o estado. Além disso, também vai ampliar os programas produtivos, como as mandallas, a assistência técnica, a distribuição de sementes e a compra direta dos produtos da agricultura familiar. “Para alcançar o objetivo do plano é importante que as políticas, ações e programas andem juntos”, disse.

O secretário do Desenvolvimento Agrário, Nelson Martins, enfatizou que vários programas do plano nacional já estão melhorando a vida do agricultor familiar. Hoje, o Programa Leite Fome Zero distribui 100 mil litros de leite por dia. O Programa de Aquisição de Alimentos passou de 1,5 milhões por ano, em compra de alimentos diretamente do agricultor, para 6,5 milhões a mais. Segundo o secretário, estão sendo construídas 49 mil cisternas de placas, sendo necessárias 145 mil para a universalização do abastecimento d’água. “O grande objetivo é a inclusão produtiva e para isso o Ceará está sendo bem atendido pelos ministérios do Desenvolvimento Social, da Agricultura e da Integração”, afirmou.

Fortaleza é a quarta capital do País em número de pessoas em situação de miséria. Para reverter o quatro na cidade, Ana Fonseca informou que além da ampliação e aumento no valor do Bolsa Família, o plano tem programas voltados a geração de renda e ocupação entre 18 a 65 anos de idade. De acordo com Evandro Leitão, secretário do Trabalho e Desenvolvimento Social, a secretaria está ampliando os serviços públicos, as unidades sócio educativas, as de qualificação de mão de obra e de atendimento ao trabalhador. “Também apoiando as entidades de atendimento em situação de vulnerabilidade”.

Coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, o plano mobiliza os governos e municípios em torno de ações no campo e na cidade. O foco são os 16 milhões de brasileiros, com renda dividida entre os seus membros, inferior a R$ 70 mensais. Deste total, 59% vivem no Nordeste, 21% no Sul e Sudeste, 20% no Norte e Centro-Oeste.

As ações serão baseadas em três eixos: renda, inclusão produtiva e serviços públicos. Unidades No campo, o objetivo será aumentar a produção agrícola. Na cidade, qualificar mão de obra e identificar oportunidades e empregos. Em paralelo, garantir o acesso à água, luz, saúde, educação e moradia. “A preocupação do Governo Federal também é encontrar as pessoas mais pobres e incluí-las nos programas sociais”, frisou a secretária extraordinária.

Fonte: sda.ce.gov.br / Munique Freitas (jornalista)