terça-feira, 2 de agosto de 2011

BANDA DE MÚSICA DE QUIXADÁ E O MAESTRO/PROFESSOR MARQUINHOS

Quem não fica feliz quando ver uma banda passando pelas ruas cantando músicas de amor. O poeta Chico Buarque traduziu muito bem este sentimento. E a nossa Banda de Música de Quixadá tem uma história marcante. Pelos seus integrantes passaram centenas de músicos e musicistas que animaram e animam os mais diversos gêneros musicais pelo Brasil afora. Gerações de expoentes musicais foram formados a partir do aprendizado inicial em suas hostes. Às vezes perguntam por que existem tantos músicos de destaque quixadaenses? Respondo com absoluta convicção de que em grande parte isto provém do trabalho da Banda de Música, da Escolinha da Banda de Música.

Pela Banda passaram grandes mestres a ensinar a arte musical. Para citar alguns: Mestre Nabor, Valdomiro Mota, Maestro Zé Pretinho. Sem dúvida devemos colocar no meio destes baluartes da cultura musical o nosso amigo Marcos José de Sousa Rodrigues. Defensor da escolinha da Banda, Marquinhos ministrava aulas teóricas e práticas; cobrava o pagamento das bolsas dos estudantes; exigia melhorias junto aos secretários e se necessário ia ao prefeito também. Era um incansável na luta para ver a Escolinha e a Banda de Música em boas condições.

Lembro de um fato interessante que garantiu a conquista da sede própria para a Banda. O prefeito da época (Dr.Mesquita) prometeu que iria ceder o antigo prédio da Secretaria de Urbanismo para suas instalações. O problema era que o secretário de urbanismo e assessores não saíam do prédio. Vendo a gestão do prefeito findando, os Maestros Didi e Marcos juntaram todos os músicos e foram para dentro da secretaria e só pararam de tocar quando o espaço foi desocupado. A sede estava conquistada.

Perdemos o professor, o maestro, o amigo Marquinhos. Fui contemporâneo dele na FECLESC. Jogamos jogos universitários juntos. Ele era um bom goleiro e nos salvou de muitas goleadas. Quando fui secretário de cultura tive nele um colaborador e apoiador das políticas culturais. Viajamos muitas vezes pelo Ceará na busca de projetos para a Banda. Lembro de sua alegria quando recebemos os instrumentos novos financiados pela Fundação Banco do Brasil. Lembro de sua determinação em levar a banda com todo seu efetivo para as solenidades, para as paradas do 7 de setembro, para as apresentações em outros municípios.

Brincalhão, era sempre a alegria seu cartão de visita. Sua risada era inconfundível. Deixará muitas saudades para uma quantidade enorme de amigos e admiradores de seu trabalho. Manifesto meu pesar para sua família. Todos estamos tristes com sua prematura partida. Fica a imagem de alguém que cumpriu seu papel de educador, de sonhador, de bondade.

O som da Banda de Música de Quixadá não será mais o mesmo. Entretanto, seu trabalho continuará. Ele deixou muitos aprendizes para prosseguir seu caminho.

Foto: Maestro Marcos regendo a Banda de Música no Santuário Nossa Senhora Rainha do Sertão