sexta-feira, 15 de abril de 2011

HOSPITAL REGIONAL: ALGUMAS REFLEXÕES

Está chegando o momento da decisão da escolha pelo Governo do Estado do local para a instalação do hospital regional. Como é um empreendimento que envolve milhões e uma grande quantidade de empregos gerados é natural que as cidades do Sertão Central disputem ferozmente a indicação que trará grandes dividendos.

Se analisarmos algumas conquistas importantes dos últimos anos poderemos entender como se dá a disputa por grandes investimentos nas cidades envolvidas. Na época dos Governos Tasso  foi patente que grande quantidade de investimentos públicos bem como a atração de empresas privadas foi direcionada para Quixeramobim. A questão do emprego, área disputadíssima por todo mundo, passava por cima de Quixadá e ia cair na terra de Antônio Conselheiro.

No período mais recente conseguimos recuperar algum terreno perdido com a atração do CEFET (Antiga Escola Técnica e hoje IFET), da Universidade Federal do Ceará (UFC), da PETROBRÁS, da Justiça Federal (definida através de lei federal há alguns anos e só agora implantada), da implantação da Faculdade Católica, entre outros investimentos públicos e privados. Importante destacar a manutenção da Vara da Justiça do Trabalho que teve sua existência ameaçada.

Deve-se ressaltar que fui o coordenador da elaboração do projeto do CEFET e do referente a UFC. Foram muitos dias de trabalho e dedicação, bem como de uma equipe técnica de servidores municipais para elaborarmos projetos competentes e que acabaram sendo reconhecidos como os melhores dos muitos que foram apresentados. Participei juntamente com o então deputado José Pimentel de diversas reuniões no Ministério da Educação para garantirmos esta conquista para nossa cidade. Tenham certeza que existiam diversos concorrentes e alguns com força política forte, exatamente da cidade irmã Quixeramobim. Por pouco a ação dos políticos daquela cidade não desviavam as nossas melhores condições técnicas. No final conseguimos sua implantação.

No tocante à Justiça Federal, aproveitamos o fato de Pimentel ser o relator do orçamento federal e conseguimos incluir nossa cidade na lei que garantiu a interiorização das varas federais. Demorou, mas o fruto chegou. Para este intento, como prefeito em exercício, acompanhei Pimentel em duas audiências em Brasília sobre o tema.

No tocante à manutenção da vara do trabalho em Quixadá, ameaçada de ter as portas fechadas, fui juntamente com Dr. Gladstone acompanhar de perto o processo. A então Presidenta do Tribural Regional do Trabalho, Dra. Dulcina Palhano (minha prima) me recebeu juntamente com o deputado Pimentel e após longo debate garantiu que iria reverter o fechamento iminente. No dia da decisão do pleno do TRT estávamos eu e o presidente da OAB local acompanhando o desenrolar dessa vitória.

Faço este resgate para demonstrar que conquistas importantes para Quixadá tiveram minha participação e que em algumas delas de forma bem valorativa. Qual papel deve-se esperar de mim neste momento de decisão sobre o hospital regional? Meu total apoio a sua implantação a Quixadá. Tenho conversado com pessoas importantes do Governo Estadual sobre a sua instalação em nossa cidade. Tenho manifestado meu ponto de vista e minha defesa por Quixadá.

Exponho a localização geográfica privilegiada de entreposto para as diversas regiões de nosso Estado. Explico da resolução do problema de abastecimento de água com a adutora que está em fase de conclusão. Falo da  nossa estrutura de universidades, do Hemoce, da Policlínica, do Aeroporto, de nossos hotéis e dos emprendimentos imobiliários em implantação. A mim cabe-me o papel dentro do Governo de defender Quixadá. Acredito, sem paixão, que nossa cidade tem todas as condições de merecer a implantação do Hospital Regional. O único ponto negativo é a atual gestão que é um verdadeiro desastre, mas ela não vai ficar para sempre. Inclusive Canindé(nossa concorrente), segundo os amigos de lá, tem uma administração também desastrosa.

Se vamos ganhar ou perder este investimento sinceramente não sei. Acho que faltou sim uma coordenação das forças políticas para unir todos neste momento. Este papel caberia ao gestor municipal, que acabou não ocupando. Entretanto, acho inclusive que Quixadá fez uma boa defesa na audiência com o Governador. Nossa vizinha Quixeramobim fez uma apresentação sofrível. Vamos aguardar o que vai acontecer e se possível comemorar este investimento em nossa terra.

Interessante que hoje, em Canindé na Câmara Municipal, bateram forte no Governador Cid pois ele teria decidido por Quixadá. Enquanto isso em nossa cidade, há alguns que jogaram a toalha e outros que parecem torcer que percamos tal investimento para poder falar maledicências. De qualquer maneira um empreendimento de tal envergadura desperta paixões de todas as formas. Entendo a dificil posição do Governador Cid, pois a cidade escolhida comemorará, mas as demais concorrentes sairão muito entristecidas. A decisão não é tão fácil como a de Juazeiro e a de Sobral. De qualquer forma, se eu fosse Cid, escolheria Quixadá. Por todas as nossas condições técnicas e geográficas.

Obs 1: Criticaram o deputado Domingos Neto por não tomar partido por Quixadá. Explico que ele é natal de Tauá (cidade que também pleiteava e recentemente desistiu), foi bem votado em Boa Viagem e Canindé. Não dá nesse tema para se posicionar.

Obs 2: O governador Cid não fará tal decisão baseada na amizade de A ou B. Se assim fosse, Tauá não teria desistido.