sábado, 21 de novembro de 2009

PELO BEM DO POVO E DE TODA SANTA IGREJA


Recebi um email do jornalista Sérgio Machado de Quixeramobim (CE). Pessoa educada, de fino trato, conseguiu expressar todo o sentimento que perpassa os quixadenses nestes momentos de incerteza com a relação a Dom Adelio Tomazin(foto). Este assunto permeia todas as conversas em Fortaleza, quando sabem que nós somos egressos da Terra dos Monólitos. As perguntam sobre o porquê desse conflito. Quixadá clama por uma solução. O texto é um pouco longo para o padrão dos blogs, mas merece nossa atenção. Reflitam.


Pelo bem do povo e de toda Santa Igreja. Amém

A população de Quixadá e do Sertão Central e mesmo quem não conhece pessoalmente a figura de Dom Adélio Tomasin, bispo emérito da Diocese de Quixadá, de forma direta ou indireta tem se beneficiado da obra deste homem, que dedicou-se a construir na terra dos Monólitos um ideal de fraternidade e desenvolvimento social que alavancou o progresso do município.
Os serviços prestados à população não só de Quixadá, mas da região, tanto na área da saúde, através do Hospital Maternidade Jesus, Maria e José, dos projetos desenvolvidos na assistência aos pobres, desamparados e aos dependentes químicos, como da Faculdade Católica Rainha do Sertão, um marco na história da região, têm à frente um homem visionário, empreendedor, mas acima de tudo um homem de fé, que faz da sua vida um instrumento de ajuda ao próximo.

A despeito de tudo que Dom Adélio tem feito, a população foi surpreendida pelos até então boatos do afastamento de Dom Adélio de suas atividades. Agora está mais do que confirmado: o atual bispo Dom Ângelo Pignolli requer mesmo o comando de tudo. Mudanças estão sendo sentidas. Pelos funcionários do Hospital Maternidade, pelos funcionários da Faculdade Católica que foram demitidos, pelos trabalhadores das obras de ampliação da estrutura física da própria faculdade, que foram paralisadas. Enfim, algo está acontecendo, sim. E o pior: instalou-se um clima de medo entre a população, que encampou um movimento entitulado “Fica, Dom Adélio”.

Ninguém tenha dúvida do quanto Dom Adélio quer ficar ou do quanto sua permanência é fundamental para que tenham continuidade os projetos por ele implantados. Também não devemos questionar a autoridade de Dom Ângelo, o atual bispo da Diocese. O que defendemos é que haja um diálogo entre ambos os bispos, objetivando que a situação possa ser resolvida, tendo como base os próprios ensinamentos difundidos pela Igreja Católica e que Dom Adélio possa continuar seu trabalho de forma tranquila, beneficiando toda uma população, como tem acontecido, ao lado de Dom Ângelo que como bispo tem sua função precípua de liderar a igreja.

A Faculdade Católica é mais do que um empreendimento da Diocese, é uma conquista do povo de Quixadá, graças ao esforço pessoal de Dom Adélio. Ele que tanto batalhou para concretizar esse sonho, batendo de porta em porta, fosse no Brasil ou no exterior, buscando apoio para viabilizar a construção daquela entidade, que hoje conta com mais de dois mil alunos, sobre os quais para a insegurança diante da situação que se apresenta. Quem garante que com o afastamento de Dom Adélio continuem os apoios a Faculdade Católica? E o curso de medicina, cujo processo de implantação está em andamento?

Ora, sabemos que grande parte dos recursos destinados à Faculdade, ao Hospital e às demais obras são doações de pessoas que, sensibilizadas pela causa e principalmente pela atenção dispensada por essas pessoas a Dom Adélio, graças a sua credibilidade e empenho pessoal.
Com apenas cinco anos de existência muito se fez para que a faculdade seja hoje reconhecida em todo o Norte/Nordeste como uma das mais bem estruturadas entidades de ensino superior do país, resultado da administração competente de quem sabe trabalhar para o engrandecimento da região, em prol do povo, investindo na formação do ser humano como forma de superação de desigualdades.

O povo de Quixadá não quer calar. Nem pode. Dom Adélio faz parte da história do município, sua atuação é indiscutivelmente necessária para a manutenção das ações em curso. Se hoje o povo sai às ruas pedindo a permanência do bispo emérito, que Dom Ângelo, na sua bondade e abnegação, natas de quem escolheu seguir a igreja e servir ao próximo, possa ouvir esse clamor e manter Dom Adélio onde ele está, onde lhe é, por merecimento, seu lugar.

Cremos que a igreja decidirá sobre o assunto visando não apenas seus interesses, mas um bem maior, empreendido em favor da população. Não façamos desse movimento um ato de política partidária como alguns podem almejar, mas um movimento em prol da construção do diálogo, da fraternidade e do esforço conjunto dos bispos em prol do povo.

Que possa Dom Ângelo, como pastor, seguir seu trabalho religioso e administrativo sim, por que não? Mas, que possa administrar construindo pontes e não muralhas, somando forças e não desafetos. Que possa, aliado a Dom Adélio e a experiência deste fazer muito mais pela nossa gente. E sempre se pode fazer mais com a ajuda do outro do que sozinho.

Homem de fé que é, Dom Ângelo no momento certo e em breve, deverá se pronunciar oficialmente e fazer cessar esse mal estar que se instalou e que não faz bem ao seu bispado, não é justo com a trajetória de Dom Adélio e muito menos com o povo sofrido de Quixadá e região.
Queremos uma igreja unida na fé e nos propósitos. Acreditamos na busca do bem, na comunhão e nas pessoas de boa vontade.E, acreditamos no trabalho de Dom Adélio e no desejo sincero de que esse trabalho possa ser não só reconhecido, mas acima de tudo fortalecido, pelo bem do povo e de toda Santa Igreja. Amém.