quinta-feira, 24 de setembro de 2009

CULTURA DE QUIXADÁ E DO CEARÁ DE LUTO: FALECE ALBERTO PORFÍRIO:


Tive conhecimento hoje do falecimento do poeta e escultor Alberto Porfírio. Ele que já vinha sofrendo há meses de sequelas fruto de um AVC, enfrentava agora uma doença que originou-se de um de seus ofícios: o contato com cimento para esculpir.

Figura querida, de uma voz mansa e tranquila, Alberto Porfírio foi um exemplo de artista e empreendedor. Cordelista, poeta, escultor, organizador de eventos, dirigente de associações; conseguia apoios aos seus projetos com seu jeito persistente e humilde de ser.

Conheci Alberto quando era secretário de cultura de Quixadá(1993-1996). Ele me procurou para puxarmos juntos a idéia de colocar o "chapéu" na estátua de Cego Aderaldo. Ele me disse, à época: "Como pode a estátua do Cego não trazer o chapéu, pois ele sempre, em qualquer hora, estava de chapéu". Depois de muitas e vindas me cobrando(todos sabem como é dificil financiar cultura em município), chegou o momento e conseguimos recursos para fazer o chapéu, que ele mesmo esculpiu, sem cobrar cachê. O dia da reinauguração foi especial. Cantadores puxados pela banda de música desfilaram pelas ruas da cidade, saindo da casa de Aderaldo até a rodoviária. Depois que foi descoberta a estátua, os cantadores continuaram a soltar seus versos. Foi um dos momentos felizes para Alberto Porfírio, dentre tantos que teve. Ele me acompanhou no célebre encontro de Patativa de Assaré com Rachel de Queiroz.
A última vez que estive com ele foi no lançamento do livro, em que ele foi personagem: "Quixadá" de Miguel Von Behr(foto), no Centro Cultural Dragão do Mar. Estava meio cansado, reflexo da enfermidade, mas estava disposto a contribuir ainda muito com a cultura. Estava preparando uma biografia, que esperava lançar até dezembro deste ano. Não houve tempo, entretanto, ele está descansando junto a Deus. Deve estar nesse momento, com aquele seu jeito manso, alegrando o Senhor com seus versos.