sexta-feira, 11 de setembro de 2009

A POLÊMICA DIVISÃO DO BOLO DO PRÉ-SAL


Sinceramente fiquei perplexo, devido a forma pequena com que alguns políticos dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo defendiam que os recursos do pré-sal fossem integralmente vinculados aos seus estados. A cara de pau dos governadores, ao defenderem esta posição, foi uma verdadeira aula da história da desigualdade brasileira. Sempre a maior parte dos recursos brasileiros foram direcionados às áreas mais abastadas e eles defendiam apenas o óbvio, de que os recursos ficassem restritos aos seus estados. Daí a existência da desigualdade cruel de nosso país. Que estes estados recebessem um pouco mais do que os demais, pela "sorte" da área do pré-sal se situar nas suas proximidades, até aguento. Agora, defender que todos os recursos sejam direcionados aos seus estados; estados que não estão contribuindo financeiramente com o futuro empreendimento, aí é de lascar.

Espanta-me a pequenez dessas posições. O Brasil é um país continental, com grandes desigualdades que precisam ser enfrentadas. A decisão do governo de usar os recursos do petróleo para a educação, pesquisa e obras de infra-estrutura é corretíssima. Este ouro negro deve financiar nossa saída do sub-desenvolvimento. Com uma quantidade maior de recursos para pesquisa, a PETROBRÁS deu um show ao descobrir inúmeras reservas de petróleo. Faltava investimento para pesquisa, coisa que o ex-presidente doutor não teve a sensibilidade de realizar. Investir em educação é investir em segurança, saúde, assistência social, etc. A educação é a chave do desenvolvimento de qualquer país.