sábado, 19 de setembro de 2009

GESTÃO PÚBLICA NÃO É BRINCADEIRA - II


A situação da gestão de Quixadá não está para brincadeira mesmo. Se não bastassem os problemas normais de qualquer cidade(e que são muitos), a eleição de um prefeito despreparado começa a ficar evidenciada como extremamente negativa para a população em geral. Não bastando também a completa interferência do ex-prefeito, que manda e desmanda na administração, a situação financeira da prefeitura está na UTI. Fruto do descontrole gerencial e administrativo, os números financeiros da prefeitura de Quixadá mostram a situação caótica da gestão.

Para se ter uma idéia da maluquice administrativa, isto em um período de crise, as despesas tem se direcionado a diárias, marketing, carros alugados e despesas de pessoal. Mesmo antevendo-se a dificuldade por que passariam os municípios brasileiros, a prefeitura resolveu aumentar seus gastos. Não em áreas de interesse público, mas para beneficiar alguns apaniguados e protegidos.

Eu já tinha avisado de que a situação estava se agravando. Obras paralisadas, serviços em ampla desorganização, falta de representatividade politica, são alguns dos fatores que levam-nos a acreditar que o pior está só começando. Não se consegue conversar com o atual gestor. Ele nunca atende as instituições ou até mesmo seus secretários. Foge dos problemas e vai empurrando com a barriga. O risco do atraso do funcionalismo começa a ficar mais próximo. Espero que isto não aconteça. Entretanto, uma gestão tão pobre de criatividade e de gerência pode levar tudo a perder. Pena que nosso Quixadá esteja passando por uma situação dessas. Projetos importantes que deveriam estar sendo implantados são postergados pela mediocridade. Parcerias que deveriam ser melhor aproveitadas são esquecidas. Recursos que deveriam aplicados de forma eficiente e efetiva são desviados pela falta de senso administrativo.
Eita que esses primeiros meses dessa "feliz" administração estão dando o que falar, para a infelicidade dos seus moradores.