sexta-feira, 21 de agosto de 2009

GESTÃO PÚBLICA NÃO É BRINCADEIRA

Gestão pública não é brincadeira e nem pode estar atrelada aos interesses político-eleitorais imediatos. Uma gestão deve se mover pelo interesse público no sentido de assegurar a promoção da vida das pessoas. Gestão pública mal gerida compromete a vida de muitos e até de gerações.

Falo isto analisando estes primeiros meses da gestão municipal de Quixadá. A manutenção de praticamente todo o corpo dirigente da gestão anterior não garantiu a correção de erros e muitos menos a mera manutenção do que já estava sendo feito. Obras importantes continuam paralisadas ou andando a passos menores do que o da tartaruga. Graves problemas permanecem sem enfrentamento. A qualidade dos gastos públicos é da pior qualidade, com proliferação de recursos entrando no ralo do esgoto, com quantias vultosas sendo pagas a aluguéis de carros, marketing, diárias, entre outros abusos.
Fazer crítica sem apontar soluções não foi nem será minha postura. Por isso, que mesmo nas minhas mais fortes afirmações, sempre aponto perspectivas para o atual gestor. É importante que a gestão venha a dar certo, afinal todos queremos bem a nossa cidade. Não desejamos o "quanto pior, melhor". A resposta aos nossos pronunciamentos tem sido de uma pequenez tremenda. A forma rasteira que um apaniguado do novo "coronel" passou a criticar-me, confirma a degradação ética em que se situa o atual grupo político no poder. Repito, sinto pena de que uma liderança que fomentou esperança, tenha tornado-se seguidor das práticas dos mais nefastos politicos brasileiros.

Nas democracias, os governantes têm uma espécie de conselho político que o cerca. Essa turma, formada entre os mais próximos da confiança do chefe, teria a função de “aconselhar” o governante de plantão. Em nossa cidade, o "aconselhar" torna-se na realidade a completa dominação de um prefeito pelo seu "chefe" ou mesmo "coronel". Lamentável, acho que isto já passou da conta. É descabido acreditar que este gestor continue a afirmar por onde passa que "está de mãos atadas". É mais descabido ainda verificar-se que este gestor não enfrenta os problemas e empurra-os ladeira abaixo. Falei, no início desta postagem, dos riscos de uma má gestão. Quatro anos de mau governo prejudicam demais. O povo está sentindo e comprendendo a necessidade de mudança nesta incompetência gerencial. Espero que os estragos dessa paralisia administrativa não prejudiquem demais nossa cidade.