domingo, 2 de agosto de 2009

CANÇÃO DO EXÍLIO - GONÇALVES DIAS


O texto abaixo é o conhecido poema de Gonçalves Dias,escrito em 1843, quando o poeta se encontrava em Coimbra realizando seus estudos universitários. O exílio em que se encontrava o autor era, portanto, volúntário. Nota-se que parte de seu trecho (2a. estrofe) foi utilizado para compor nosso Hino Nacional, que recebeu sua letra após a Proclamação da República. Gonçalves Dias tinha em sua poesias a característica romântica.


Canção do exílio

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar –sozinho, à noite–
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que disfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

De Primeiros cantos (1847)
Gonçalves Dias