sábado, 7 de fevereiro de 2009

UM BELO POEMA

Encontrei este belo poema de Hermes Lima quando pesquisava uma matéria jurídica para minha monografia. O autor que pesquisei era também um adepto de poesias. Achei interessante esta de Manoel Hermes Lima.

» Poema "A Saudade"

Contar? Já não sei...!
Quantas e quantas vezes tu,
Porta a dentro invade-me
E, no constante silêncio meu,
Triste e isolado faz-me?
Contemplo os pingos do sereno, e só,
Sinto-me molhado na madrugada...
Gotas das nuvens que se desprendem.
Para não te apossares de mim, luto,
Reluto e reluto, até desfalecer, caio.
Sem forças, vejo,
Em vão, o esforço meu ser!
Abusas de mim e assim vives por quê?
Quanto tempo e até quando me dominarás?
Oh dura saudade, afugenta-te de mim!
Em meu interior faz perpétua,
Constante tua morada eterna
Então, busco de ti, minha fuga, para distante,
Mas que rumo tomar e aonde vou chegar?
Pergunto-me, e insisto... Não sei!
Sempre a minha presença tu percebes,
Numa viagem, num caminho estreito!
Onde estou tu estás. Sinto-te e sofro!
Tento evitar, no coração, a dor forte,
E eu, sem saber se azar ou sorte,
Em doçura, ou num bem, transformo-te,
Como no despertar d' um sonho, admito-te,
Que na vida vem e traz lembranças boas,
Com o desejo de querer que renasça,
A infinita vontade de amar, só amar...
Oh saudade, és o símbolo d' uma existência!
Assim, sei que vivo! Sinto-me todo sensível e
A dor d' antão, no peito, num instante, sarada,
Sou de ti seu eterno refúgio, que em mim,
Agora, o sofrimento dá lugar ao amor, e espraia,
Cá, no pensamento meu, o ser amado que germina,
Pois antes na saudade, enquanto, esvoaçada,
Reinava sim, a doce lembrança de quem amo.
Oh saudade, não morras jamais, peço-te!
Nem tu sabes até quando viverás no ser!
Quiçá, por longo tempo, ou eternamente!
Porque, tu, saudade, é irmã do infinito amor,
E o ser que ama, de ti será sempre escravo,
Pois tu, saudade, é do ser, o alimento,
E nele ilumina o espírito com esperança!
Enfim, tu apressas a busca da felicidade e,
Veloz, conduzes ao encontro, dois amantes.